Podemos dizer que essa população é enquadrada pelos poderes que as identificam como aquelas e aqueles para quem viver é algo de não muito valioso. Esse enquadramento, cremos, é a um só tempo ético, político e estético. Ele vincula uma cor da pele e um modo de se vestir e falar, uma geolocalização e todo um ethos, a determinada seção da população, indistintamente. Com frequência assistimos na mídia e no mundo do entretenimento imagens desses jovens com o rosto coberto por máscaras produzidas em programas como o Photoshop. Tal medida protecionista118 acaba se confundindo com uma forma de enquadrar e criminalizar por meio da imagem, historicamente. Com Gilles Deleuze e Félix Guattari aprendemos que “o rosto é uma política” e que determinados agenciamentos do poder operam na produção de rostos, atuam por movimentos de “rostificação”. Rostificação não apenas da cara, cabeça, face – rostificação de corpos e estruturas sociais inteiras. A rostificação é o que permite que a técnica de edição de imagem nesses jovens se detenha tão-somente nas linhas definidoras da face, descobrindo as outras partes (braços, pernas, costas, pés), mesmo quando esses membros possuem marcas distintivas e singularizantes, tais como vimos em relação às tatuagens, bermudões ou escritos. Duplo-movimento, pois é o mesmo blur que os despe de suas marcas pessoais identificadoras conforme a máquina-institucional – olhos, bocas, orelhas, narizes, cicatrizes, etc. – que irá projetar um outro rosto reterritorializado – o rosto do bandido. É justo por reconhecer que o rosto é uma política que os poderes rapidamente o cobrem e assim o investem de um outro rosto que recobre toda a subjetividade dos estudantes. Não somente porque inibe a exibição individual de seus rostos, mas porque os associam integralmente a outro rosto universal, o rosto do blur-bandido indistinto, pixelizado, integrado à máquina-carcerária e ao biopoder. Mesmo sem se mostrar, portanto, há um rosto que os antecede, os reveste com sua “máscara negra” e determina as formas de circulação de suas imagens no mundo.

<– voltar para a mesa de montagem